Bom dia, Visitante! (entrar - cadastro)

ALEMS 05

07 de julho, 2020 às 12:02

Iran Coelho das Neves

Pandemia impõe revisão de valores como tributo

Iran Coelho das Neves (Foto: Divulgação - TCE/MS)

Os que nos prestigiam com sua leitura sabem que a partir da instalação da epidemia de Covid-19, e de sua agudização ainda em lamentável progressão, em lugar de abordagens técnicas ou institucionais relacionadas ao cotidiano do TCE-MS, temos usado com frequência este espaço para refletir sobre uma realidade social e humana que ainda está sendo plasmada pelas urgências, contingências e por crônicos déficits de políticas públicas, desnudados pela maior crise sanitária em mais de um século.
 
Na nossa modesta opinião, quando, mesmo sob condições operacionais restritivas impostas pela pandemia, o funcionamento de governos, instituições e empresas está assegurado, nossa premência coletiva neste momento deve centrar-se no ser humano.
 
Se na linha de frente os profissionais de saúde dão mostras de heroica dedicação ao sagrado mister salvar vidas, combatendo inimigo tão agressivo – muitas vezes com meios escassos e reduzida proteção que os expõem ao risco de contágio –, é dever moral de cada indivíduo e responsabilidade social de todos nós honrar o exemplo desses combatentes.
 
A solidariedade, como observamos no artigo anterior, é a forma mais salutar e generosa de celebrar o estoicismo dos profissionais de saúde e de dignificar a nossa própria condição de seres humanos.
 
Contudo, a nossa consciência cidadã e a nossa própria condição humana nos impõem, em momento tão crucial, ir além e refletir sobre a precariedade de valores até há pouco tidos como fundamentos irremovíveis, mas que agora se mostram frágeis, quebradiços, diante da realidade trágica imposta pela Covid-19.
 
Qualquer que seja o “novo normal”, do qual tanto se fala ao se especular sobre o pós-pandemia, tudo leva a crer que, como indivíduos e como sociedade, seremos impelidos à uma revisão ética que, não necessariamente fruto de uma repentina e muitíssimo improvável (r)evolução humana, se imporá como tributo civilizatório pela derrota retumbante – ainda que temporária – diante de inimigo insidioso e planetário.
 
Acreditamos, sim, que em breve teremos vacinas e remédios eficazes para enfrentar – e derrotar – o novo coronavírus. Porém, a tão esperada vitória final da Ciência sobre o vírus insidioso não anulará a tragédia global expressa em mais de meio milhão de mortos e 10,5 milhões de infectados em todo o mundo, contados até a última quarta-feira, quando se escrevia este artigo.
 
Ainda que cientistas e governos sustentem, com razão, que jamais se conseguiu desenvolver uma vacina – supondo que os testes em curso comprovem sua eficácia – em tão curto tempo, a amarga constatação de que nem a Ciência nem os governantes estavam preparados para tão desafiadora provação, nos coloca uma angustiante indagação: como reagiremos à próxima pandemia, que segundo especialistas é só uma questão de tempo?
 
Da perspectiva médico-científica não há, obviamente, uma resposta.
 
Porém, uma realidade se impõe com a força irrecorrível dos números trágicos da atual epidemia planetária:
 
A Sociedade Humana como um todo, ou seja, a civilização contemporânea, precisa, a partir da conscientização de indivíduos, segmentos sociais e estados nacionais – e respectivas lideranças políticas, acadêmicas, socioeconômicas e culturais – se dar conta, ainda que pela dor, de que só a redução de desigualdades será capaz de atenuar os danos e horrores de calamidades sanitárias, como atual, e de desastres naturais de repercussão global, para os quais a Ciência nos adverte frequentemente.
 
Contudo, a redução das desigualdades, tanto entre indivíduos e grupos sociais e étnicos, quanto entre regiões e países, não virá por geração espontânea ou por algum desígnio da Providência.
 
Ela começa quando cada um de nós, como ser humano, toma consciência de que pode e deve fazer mais por seus semelhantes, por sua comunidade.
Por: *Iran Coelho das Neves é Presidente do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul
Imprimir


Eu ou

Nós?

Água mole em pedra dura...

Tanto bate até que fura

Charge da Semana

Confira as principais charges que estão circulando na internet.

COVID-19

» todas as charges

PUBLICIDADE

CRF Anuncie

Entrevistas / Artigos

Paulo César Regis de Souza

Previdência Social – 100 anos

Nayara Felizardo, repórter Intercept

Quando o assédio vem da Justiça

» todas as entrevistas e artigos

Siga-nos

FacebookTwitter


Jornalismo com credibilidade na região norte!