Bom dia, Visitante! (entrar - cadastro)

ALEMS 05

30 de novembro, 2020 às 16:53

Advogada Juliane Penteado

Portador de Fibromialgia pode aposentar pelo INSS?

Advogada Juliane Penteado (Foto: Divulgação)

Primeiramente, importante definir que a Síndrome da Fibromialgia (FM), segundo o Sociedade Brasileira de Reumatologia, é avaliada clinicamente por um médico reumatologista, que é um especialista nessa área da medicina. Ela se revela por dor no corpo todo, principalmente na musculatura, podendo deixar a pessoa incapaz de trabalhar.
 
Junto com a dor, ela pode causar cansaço, sono, alterações de memória e atenção, ansiedade, depressão, por exemplo. Uma característica da pessoa com FM é a grande sensibilidade ao toque da musculatura.
 
O diagnóstico da fibromialgia é clínico, ou seja, se o médico fizer uma boa entrevista clínica, pode fazer o diagnóstico de fibromialgia na consulta inicial.
 
Dados
Um ponto de destaque acerca dessa síndrome de fibromialgia é que a cada 10 pacientes, 8 são mulheres.  
 
A idade de aparecimento da fibromialgia é geralmente entre os 30 e 60 anos.  
 
Nos últimos tempos, milhares de brasileiros têm de lidar diariamente com a Fibromialgia, e nesse sentido, será que é possível que consigamos aposentadoria para a pessoa com essa síndrome?
 
A resposta é que depende de cada caso. Mas é fato que muitas são as dúvidas que chegam nos escritórios de advocacia.
 
Como as aposentadorias por incapacidade (antiga aposentadoria por invalidez) são benefícios que o segurado tem direito por estar incapaz permanentemente, o beneficiário precisa comprovar por exames e atestados que realmente existe essa incapacidade.  
 
A grande questão é fazer essa prova, afinal de contas a fibromialgia não é detectável por exames, raio x ou qualquer outro método que não o clínico, como já disse acima.
 
Então, como fazer?
Não é impossível, porém devemos levar em consideração várias informações na perícia: ter um histórico do médico mostrando a evolução e a permanência dos sintomas mesmo com o tratamento é importantíssimo. Tenha todos os documentos do seu reumatologista em mãos.
 
Outro ponto é destacar todas as condições pessoais do segurado. Pela enfermidade gerar dores em todo o corpo, ela pode prejudicar a realização de quaisquer atividades, então talvez mudar de setor não seja uma alternativa dentro da empresa, por exemplo. Trabalhar, exercer qualquer esforço pode não ser possível.
 
A própria medicação utilizada para conter a FM, caso traga efeitos colaterais podem ser um fator a ser argumentado indicando a incapacidade laboral.
 
Como para qualquer aposentadoria, é necessário que o solicitante preencha os requisitos de qualidade de segurado e carência (estar filiado ao RGPS na data de início da incapacidade e ter contribuições em dia). Com relação a esse último, existe um projeto de lei para que a fibromialgia seja dispensada da carência.
 
Se você se enquadra nesse caso e ainda tem dúvidas procure um profissional que possa lhe ajudar indicando os caminhos mais hábeis nesse processo. Como disse acima, não é impossível, porém, pode exigir um pouco mais de habilidade. Espero ter ajudado.
Por Juliane Penteado Santana - Advogada previdenciarista. Professora. Palestrante. Coordenadora titular e membro do comitê científico do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário – IBDP pelo Estado de Mato Grosso do Sul e da região do Centro-Oeste. Proprietária do escritório Penteado Santana Advocacia.
Imprimir


Eu ou

Nós?

Água mole em pedra dura...

Tanto bate até que fura

Charge da Semana

Confira as principais charges que estão circulando na internet.

COVID-19

» todas as charges

PUBLICIDADE

CRF Anuncie

Entrevistas / Artigos

Paulo César Regis de Souza

Previdência Social – 100 anos

Nayara Felizardo, repórter Intercept

Quando o assédio vem da Justiça

» todas as entrevistas e artigos

Siga-nos

FacebookTwitter


Jornalismo com credibilidade na região norte!