Bom dia, Visitante! (entrar - cadastro)

ALEMS 05

25 de janeiro, 2021 às 13:58

Iran Neves, presidente do TCE/MS

O contágio das mentes

Foto: Divulgação

Talvez em nenhum outro momento de nossa história recente a ponderação e o bom senso tenham sido tão essenciais quanto agora, quando o enfrentamento da pandemia, que já ceifou mais de duzentas mil vidas e infectou mais de 8,6 milhões de brasileiros, deveria fortalecer nossos laços de coesão social, mas, paradoxalmente, os esgarça, estimulando radicalismos políticos e polarizações ideológicas extremamente preocupantes.
 
Dito de forma direta, constitui arrematada e ruinosa insensatez ignorar que todos nós, seja lá a que espectro político pertençamos, temos um inimigo único e mortífero a ser combatido: a pandemia de Covid-19. Lamentavelmente, boa parte do vigor social e do senso de responsabilidade humana, fundamentais para unir a nação em momento de tamanho desafio comum, é exaurida em confrontações ideológicas exacerbadas, em revanchismos e rejeições mútuas.
 
Pode-se alegar, e com razão, que apesar de toda a desditosa ‘caça às bruxas’ – que infelizmente não se restringe às redes sociais, mas ocupam cada vez mais o espaço político e institucional –, a guerra à pandemia, no campo da saúde, que é o único que deveria interessar, tem sido travada com vitórias e derrotas, como em qualquer outro país. E neste momento já temos o prenúncio alentador de uma campanha de vacinação, ainda que sob risco de ser procrastinada por injunções externas.
 
Porém, se da perspectiva humana, ou seja, da vida como valor primordial a ser defendido e preservado, a tão almejada vitória sobre a pandemia consubstancia o nosso maior e mais imediato desejo, do ponto de vista social uma indagação deve angustiar todos os brasileiros neste momento: enquanto nação, que Brasil emergirá no pós-pandemia?
 
Se, evidentemente, não pode ser apontada como causa do atual processo de corrosão política e de fragmentação social, cujo início lhe é anterior, a pandemia teve como efeito deletério o acirramento de antagonismos políticos e ideológicos.
 
Ao conferir, artificiosamente, às severas medidas sanitárias de restrição às atividades econômicas uma ‘natureza política’ que nada tinha a ver com sua essência de prevenção ao contágio, agentes públicos importantes inflamaram um debate que, nas redes sociais, na mídia convencional – e mesmo nas instâncias políticas que deveriam preservar algum espaço para um diálogo minimamente civilizado – descambou para a mútua desqualificação. Que inviabiliza a interlocução e transforma discordâncias em repulsas insanáveis.
 
Ainda em julho de 2019, em artigo intitulado ‘O Perigo do Radicalismo Ideológico’, ao citar pesquisa do Instituto Ipsos apontando que 32% dos brasileiros achavam não valer a pena dialogar com quem tivesse opiniões políticas diferentes das suas, advertíamos:
 
“Os radicalismos excludentes à direita e à esquerda do espectro político-ideológico, insuflados por pautas calcadas em alegados ‘valores morais’ ou de ‘costumes’, configuram uma beligerância insensata nas redes sociais, onde o que pensa diferente é o inimigo a ser destruído, a começar pelo aniquilamento de sua reputação pessoal.”
 
Desde então, a polarização só fez recrudescer. E a pandemia de covid-19, cujas dimensões dramáticas e funestas consequências deveriam mobilizar o senso de coesão social, e inspirar valores individuais como a solidariedade e a empatia, só em parte cumpriu esse desiderato.
 
Enquanto dezenas de milhares de profissionais da saúde se entregam, até limite da exaustão, ao combate à pandemia, muitos sendo contaminados e outros tantos sacrificando a própria vida, viceja uma ‘cepa’ tão improvável quanto perniciosa do novo coronavírus: uma variante ‘ideológica’ que, astutamente inoculada, corrompe o diálogo e trunca o livre debate de ideias, configurando uma grave ameaça de esgarçamento social.
 
É urgente que o Brasil, pela voz de suas lideranças mais lúcidas e proeminentes em diferentes instâncias, se empenhe, com diligência e objetividade, por um chamamento à sensatez e à ponderação.
 
Sem a restauração de condições mínimas para um diálogo construtivo, baseado no respeito mútuo, o cenário social e político pós-pandemia estará perigosamente deteriorado.
Por Iran Coelho das Neves, presidente do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul.
Imprimir


Eu ou

Nós?

Água mole em pedra dura...

Tanto bate até que fura

Charge da Semana

Confira as principais charges que estão circulando na internet.

COVID-19

» todas as charges

PUBLICIDADE

CRF Anuncie

Entrevistas / Artigos

Paulo César Regis de Souza

Previdência Social – 100 anos

Nayara Felizardo, repórter Intercept

Quando o assédio vem da Justiça

» todas as entrevistas e artigos

Siga-nos

FacebookTwitter


Jornalismo com credibilidade na região norte!