Bom dia, Visitante! (entrar - cadastro)

ALEMS 05

15 de fevereiro, 2022 às 21:06

Antonio Tuccilio, presidente da CNSP

Precisamos ficar de olho na desoneração da folha de pagamento

Antonio Tuccilio, presidente da CNSP (Foto: Divulgação)

Um dos temas do momento é a desoneração da folha de pagamento, já que a Lei 14.288/21, que prorroga essa medida até 2023 entrou em vigor logo nos primeiros dias do ano. Mas, afinal, o que é exatamente isso e quais suas implicações?
 
Bom, a desoneração da folha é uma maneira de substituir a contribuição previdenciária de empresas de determinados segmentos por um tributo incidente sobre a receita bruta. É uma forma (legal) de reduzir a carga tributária das organizações e estimular a economia do país. Mas tudo tem um porém. 
 
Toda empresa é obrigada a pagar uma parcela referente ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), chamada de contribuição previdenciária patronal. Em tese, essa troca de tributo beneficia alguns setores. No caso específico, 17 áreas podem ser beneficiadas pela medida. E segundo esses setores, a medida em vigor permite a manutenção de 6 milhões de empregos. 
 
É claro que as empresas querem a continuidade da desoneração da folha. Por que pagar 20% quando se pode pagar somente até 4% do lucro? Para os beneficiados é um grande benefício.  O assunto gera muito debate e, de fato, a medida assegura que não haja demissões em massa em alguns setores. Levando em conta a crise econômica e social do país, isso é bem pensado. Mas me parece uma meia verdade.
 
E há um detalhe: para compensar a prorrogação da desoneração, a nova lei prevê um aumento de 1% da alíquota da Cofins-Importação. 
 
Voltando ao assunto, essa é uma narrativa dos empresários beneficiados. Quando olhamos para a economia, não vemos isso acontecer. O fato é que a desoneração da folha de pagamento representa uma imensa vantagem para os setores envolvidos. De um lado, temos políticos e empresários buscando vantagens e o governo e o Congresso querendo “ajudar”. No meio está o povo. Quem realmente é beneficiado nessa história? 
 
2022 é um ano eleitoral e a aprovação dessa lei é muito séria. Precisamos ficar de olhos bem abertos para garantir que tudo o que foi prometido está sendo cumprido, uma fiscalização é extremamente necessária, algo que não é tradicionalmente feito, já que a medida retira da receita valores que poderiam ser passados para outros setores, como saúde e educação. 
 
Para os empresários é maravilhoso, mas precisamos garantir o que foi prometido ao povo. É preciso atenção. 
Por Antonio Tuccilio, presidente da Confederação Nacional dos Servidores Públicos (CNSP)
Imprimir


Eu ou

Nós?

Água mole em pedra dura...

Tanto bate até que fura

Charge da Semana

Confira as principais charges que estão circulando na internet.

COVID-19

» todas as charges

PUBLICIDADE

CRF Denuncie

Entrevistas / Artigos

Paulo César Regis de Souza

Previdência Social – 100 anos

Nayara Felizardo, repórter Intercept

Quando o assédio vem da Justiça

» todas as entrevistas e artigos

Siga-nos

FacebookTwitter


Jornalismo com credibilidade na região norte!