Bom dia, Visitante! (entrar - cadastro)

CMCR05

02 de dezembro, 2021 às 09:05

MS fará identificação civil e emissão de documentos de presos

Ação nacional é do programa Fazendo Justiça, para superação de desafios no campo da privação de liberdade

Foto:Tatyane Santinoni

Mato Grosso do Sul aderiu oficialmente à Ação Nacional de Identificação Civil e Emissão de Documentos das Pessoas Privadas de Liberdade, desenvolvida de forma conjunta entre o Ministério da Justiça e Segurança Pública, por meio do Depen (Departamento Penitenciário Nacional) e o CNJ (Conselho Nacional de Justiça). 

A iniciativa integra um dos eixos estratégicos do programa Fazendo Justiça, para superação de desafios no campo da privação de liberdade. O primeiro estado a aderir foi o Mato Grosso, seguido agora por Mato Grosso do Sul e o próximo, conforme calendário do CNJ, será o Maranhão.
 
O termo de cooperação foi assinado pelo diretor-presidente da Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário), Aud de Oliveira Chaves, e pelo coordenador do DMF (Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas) do CNJ, juiz Luís Geraldo Sant’Ana Lanfredi.
 
“Nosso estado já possui um trabalho consolidado que realiza o levantamento de informações de documentação civil junto à massa carcerária. Para se ter uma ideia, somente este ano, já foram emitidas 2.040 segundas vias de certidões de nascimento para pessoas em privação de liberdade. Com esses novos mecanismos, podemos implementar, ainda mais, este trabalho que já vem sendo realizado”, destacou o diretor-presidente da Agepen.
 
Segundo Aud, o acesso à documentação facilita encaminhamento dos custodiados e egressos ao trabalho e inserção em cursos profissionalizantes, permitindo maior exercício da cidadania. Entre as inovações viabilizadas pela integração, está a uniformização do uso de biometria em todo o país para garantir maior confiança em dados, inclusive evitando prisões por engano ou falsa identidade. Também haverá integração inédita dos dados coletados em um banco nacional mantido pelo TSE, assim como fluxos permanentes e integrados para emissão de documentos em todo o país. 
 
Primeiros testes 
 
MS recebeu 28 kits para a coleta biométrica, que estão sendo instalados em unidades prisionais de regime fechado. Os primeiros testes foram realizados na Penitenciária Estadual Masculina de Regime Fechado da Gameleira 2. Profissionais também receberam treinamento para atuarem como multiplicadores na utilização dos equipamentos e software disponibilizados
 
Segundo o coordenador do Eixo 4 (sistemas e identificação) do programa Fazendo Justiça do CNJ, Alexander Cambraia Nascimento Vaz, a previsão é que seja realizada a coleta biométrica de toda a massa carcerária. “A ideia é coletar logo que a pessoa passa pela audiência de custódia, antes de adentrar nas unidades penais. Paralelamente coletar os passivos, que já se encontram presos e fazer a integração do banco de dados que já existem, seguindo padrão internacional de coleta e qualidade de dados”, esclareceu.
 
A intenção é agilizar a emissão de documentação civil como Certidão de Nascimento, Registro Nacional de Estrangeiro (RNE), Carteira de Identidade, CPF, Título de Eleitor, Carteira de Trabalho e de Reservista, para o sexo masculino, sem prejuízo de outras emissões. 
 
Por Ana Oshiro - Campo Grande News

CMCR 02
Imprimir


Charge da Semana

Confira as principais charges que estão circulando na internet.

COVID-19

» todas as charges

PUBLICIDADE

CRF Anuncie

Entrevistas / Artigos

Paulo César Regis de Souza

Previdência Social – 100 anos

Nayara Felizardo, repórter Intercept

Quando o assédio vem da Justiça

» todas as entrevistas e artigos

Siga-nos

FacebookTwitter


Jornalismo com credibilidade na região norte!