Costa Rica 29 ℃

Prefeito e mais 5 são presos por suspeita em morte de vereador de Alcinópolis

O nome do sexto preso ainda não foi divulgado

Publicado em 20/07/2011 07:15

Foto: Alcinópolis.com

Na manhã desta quarta-feira (20), seis pessoas foram presas em Alcinópolis, sendo o prefeito Mané Nunes (PR), o presidente da câmara Enio Queiroz (PR), os vereadores Valter Roniz (PR), e Valdeci Lima (PSDB), mais conhecido como Passarinho e o comerciante Ademir Luiz Muller. O nome do sexto preso ainda não foi divulgado.

De acordo com a Polícia Civil de Alcinópolis, todos os mandados de prisão executados teriam envolvimento com a morte do vereador Carlos Antônio Carneiro (PDT).

Os processos correm pela 1° Delegacia de Polícia de Civil de Campo Grande, para onde os presos estão sendo trazidos. Deve acontecer uma coletiva de imprensa ainda hoje para esclarecer os motivos das prisões.

A operação foi realizada em conjunto com a polícia civil de Alcinópolis e Garras, participaram aproximadamente 25 policiais.

O caso

O presidente da Câmara Municipal de Alcinópolis, Carlos Antonio Costa Carneiro (PDT), de 40 anos, foi assassinado com três tiros, por volta das 13h, do dia 26 de outubro de 2010, ao lado do hotel Vale Verde, na avenida Afonso Pena esquina com a rua Guia Lopes, em Campo Grande. Carlos é filho do vice-prefeito do município, Alcino Carneiro.

Segundo testemunhas, um dos suspeitos identificado pela polícia como Irineu Maciel, de 38 anos, foi visto próximo ao vereador, que estava na calçada, como se estivessem conversando, em seguida ouviram os disparos.

Após disparar contra a vítima, o autor correu ao encontro de Aparecido de Souza, de 28 anos, que o esperava em uma motocicleta Yamaha, de placa HSN 2741, de Campo Grande/MS.

A dupla foi presa após ser perseguida por dois investigadores da DGPC (Diretoria Geral da Polícia Civil) que passavam pelo endereço em uma viatura descaracterizada e presenciaram o crime.

Segundo os policias, durante a perseguição chegaram a atirar três vezes contra os autores que foram impedidos de fugir após derraparem e caírem ao chão. Eles foram presos pelo Garras (Grupo Armado de Repressão a Roubos e Sequestros).

Aos policiais eles disseram terem sido contratados para executar o vereador pelo valor de R$ 20 mil, mas não disseram ainda quem teria encomendado o crime. (Midiamax).

SIGA-NOS NO Costa Rica em Foco no Google News

Pode te Interessar