Costa Rica 17 ℃

PMA de Bataguassu multa frigorífico em R$ 1 milhão por vazamento de gás

Quatro morreram e 28 ficaram intoxicados em acidente em curtume

Publicado em 01/02/2012 08:40

A PMA - Polícia Militar Ambiental em Bataguassu, a 335 km de Campo Grande, aplicou multa administrativa de R$ 1 milhão ao grupo Marfrig Frigoríficos e Comércio de Alimentos S/A. A penalidade, segundo a polícia, é decorrente da poluição causada pelo gás que teria causado a morte de quatro pessoas e intoxicação de outras 28, na terça-feira (31).

De acordo com a PMA, este valor poderá ser aumentado ou reduzido ao final do processo administrativo instaurado pelo Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul). A multa foi calculada com base no artigo 61 do decreto federal 6.514/2008, que trata da penalidade imposta quando a poluição causa danos aos seres humanos.

A empresa também está sendo investigada pela Polícia Civil. Um inquérito foi aberto nesta terça-feira (31) e a perícia no local será feita assim que o Corpo de Bombeiros liberar a entrada no curtume, interditado desde o acidente. Uma equipe da PMA também aguarda a liberação para a vistoria.

Desde ontem, uma equipe do Corpo de Bombeiros, especializada em acidentes com produtos químicos, realiza a coleta de amostras de materiais que estão depositados em tanques no curtume. A avaliação poderá indicar as causas do vazamento.
Segundo o hospital municipal de Bataguassu, todos os funcionários da empresa que havia sido internados com sintomas de intoxicação já foram liberados. No total, 28 passaram mal, mas 21 permaneceram no hospital. Deste total, até ontem à noite, 8 permaneciam na instituição e foram liberados na manhã desta quarta-feira (1º).

Três funcionários que foram transferidos para a Santa Casa de Presidente Prudente (SP) permanecem internados. No último boletim, divulgado pela assessoria na tarde de ontem, constava que dois funcionários do curtume, um de 24 e outro de 39 anos, estão sedados e respiram com a ajuda de aparelhos. A terceira vítima que também está na UTI, um homem de 36 anos, respira sem a ajuda de aparelhos e apresenta sintomas neurológicos leves.

Segundo divulgação da assessoria da Marfrig nesta quarta-feira (1º), o quadro evolutivo de todos é considerado positivo. O presidente do grupo, Marcos Antonio Molina dos Santos, divulgou nota de pesar.

O acidente
Intoxicados
Segundo o hospital municipal de Bataguassu, todos os funcionários da empresa que havia sido internados com sintomas de intoxicação já foram liberados. No total, 28 passaram mal, mas 21 permaneceram no hospital. Deste total, até ontem à noite, 8 permaneciam na instituição e foram liberados na manhã desta quarta-feira (1º).

Três funcionários que foram transferidos para a Santa Casa de Presidente Prudente (SP) permanecem internados. No último boletim, divulgado pela assessoria na tarde de ontem, constava que dois funcionários do curtume, um de 24 e outro de 39 anos, estão sedados e respiram com a ajuda de aparelhos. A terceira vítima que também está na UTI, um homem de 36 anos, respira sem a ajuda de aparelhos e apresenta sintomas neurológicos leves.

Segundo divulgação da assessoria da Marfrig nesta quarta-feira (1º), o quadro evolutivo de todos é considerado positivo. O presidente do grupo, Marcos Antonio Molina dos Santos, divulgou nota de pesar.

O acidente
Segundo o Corpo de Bombeiros, o acidente aconteceu por volta das 12 h (horário de Brasília), quando um motorista da empresa fazia o descarregamento de substância utilizada para retirada do pelo do couro bovino. O funcionário percebeu que houve uma reação química com outro produto, não identificado.

Ainda conforme os bombeiros, três funcionários que estavam em uma estrutura acima do local onde a substância era descarregada, caíram desmaiados e um quarto tentou descer pelas escadas mas não conseguiu.

O Corpo de Bombeiros aponta ainda que o homem que descarregava o produto ainda conseguiu fechar a válvula que liberava a substância no tanque antes de se afastar e que funcionários próximos do local começaram a apresentar mal-estar, logo em seguida.

Um dos funcionários, internado no hospital de Bataguassu, disse que ouviu muitos gritos após o desmaio dos colegas. “Escutei gritos, avisando para sair correndo, eu vi muita gente correndo lá para fora, eu tentei correr, mas começou a faltar ar e eu caí”.

Em nova nota divulgada no fim da tarde desta terça-feira, a assessoria do Grupo Marfrig confirmou ao G1 a morte dos quatro funcionários e que três foram removidos para Presidente Prudente (SP). A empresa informa que houve uma reação química decorrente de manipulação de insumos.

Fonte: G1/MS

SIGA-NOS NO Costa Rica em Foco no Google News

Pode te Interessar