Bom dia, Visitante! (entrar - cadastro)

CMCR_MAIO

04 de março, 2020 às 10:30

Em 10 anos, DPVAT triplica número de indenizações para quem anda sobre 2 rodas

Nos dez anos do estudo os pagamentos feitos pelo Seguro DPVAT cresceram 186,8% nas ocorrências com motocicletas e ciclomotores

Em 10 anos (de 2009 a 2018) foram pagas 64.646 indenizações às vítimas de acidentes de trânsito envolvendo motocicletas e ciclomotores, entre condutores, passageiros e pedestres em Mato Grosso do Sul. Os dados são do relatórios da Seguradora Líder, administradora do Seguro DPVAT. 
 
O levantamento aponta que somente em 2018, foram 253 indenizações por morte, 4.699 ficaram inválidas permanente e 743 benefícios foram pagos para reembolso com despesas médicas e suplementares (DAMS). Quando comparados a outros tipos de veículos, esses números dão uma dimensão do quanto os meios de transportes em duas rodas estão em condição mais fragilizada diante de um acidente. 
 
Nos dez anos do estudo os pagamentos feitos pelo Seguro DPVAT cresceram 186,8% apenas nas ocorrências com motocicletas e ciclomotores, saindo de cerca de 1.986 indenizações em 2009 para 5.695 em 2018. Os casos de invalidez permanente são os que mais chamam atenção: cresceram 358,9% passando de 1.024 benefícios de 2009 para 4.699 em 2019.
 
O diretor-presidente do Observatório Nacional de Segurança no Trânsito, José Aurélio Ramalho, lembra de alguns fatores que contribuíram para o aumento da frota de motocicletas no país. “Temos a questão do déficit de transporte público no Brasil e do aumento da população nos grandes centros urbanos, que têm levado pessoas a buscar a motocicleta como meio de transporte, pela facilidade de acesso”, comenta. 
 
Mas ele recorda que nem todos os condutores têm qualificação e preparo para usá-las com segurança. “O Código de Trânsito Brasileiro prevê que aulas de condução de motocicleta sejam executadas em vias públicas, ou seja, reproduzindo as condições normais de trânsito. E não há um Detran em nenhum estado da federação que cumpra essa legislação. Ou seja, o exame final é sempre em ambiente confinado”, alerta.
 
Quanto à segurança, Ramalho diz que a motocicleta, por ser um veículo automotor, deve ocupar na via o mesmo espaço que um automóvel, apesar do hábito inseguro de circular entre os carros, nos chamados corredores. Ainda assim, é preciso muita atenção do motociclista.
 
“Colisões traseiras são eventuais hoje, com o advento dos smartphones. Se o automóvel colidir com uma moto, o motociclista pode ser prensado entre um veículo e outro. Também há a situação do motociclista que circulando atrás do automóvel fica sem a capacidade de observar, por exemplo, um buraco à frente. Temos que lembrar que o tempo de frenagem do automóvel é diferente da motocicleta, que precisa de um tempo maior para parar”, observa.
 
Em relação ao Relatório, Ramalho adverte que há um período de até três anos para requerer o seguro DPVAT após o sinistro, o que pode gerar diferença entre o número de ocorrências do documento e os que ocorrem efetivamente a cada ano. “Os dados do Datasus, do Ministério da Saúde, demonstram que está havendo uma queda no número de mortos nos últimos três anos”, aponta.
 
O relatório geral do DPVAT (com os números de todos os tipos de veículos) também apontou queda de mortalidade no período de 10 anos. Ainda assim, o volume de indenizações é alto, segundo observação de Luiz Gustavo Campos, especialista em trânsito e diretor da Perkons.
 
“Ao observar o trânsito do dia a dia, no qual todos estamos inseridos, notamos que é preciso um trabalho de reeducação com todos os usuários da via para diminuir a violência no trânsito. A tendência de queda deve ser celebrada, mas enquanto nos depararmos com motoristas de automóveis nervosos pelo fato de uma motocicleta estar à sua frente, ocupando um espaço que no entendimento equivocado seria de um carro, ou motociclistas sem capacete e parando sobre a faixa de pedestres, infelizmente ainda perderemos muitas vidas. O respeito precisa prevalecer e os maus hábitos devem ser corrigidos. É de uma mudança de cultura que necessitamos”, comenta.
 
Campo Grande News
PMA-COVID NEWWS
Imprimir


Charge da Semana

Confira as principais charges que estão circulando na internet.

COVID-19

» todas as charges

PUBLICIDADE

anuncie aqui

Entrevistas / Artigos

Dr. Alex Narcizo

Igreja sem paredes!?

Paiva Netto

A coragem feminina

» todas as entrevistas e artigos

chop

Siga-nos

FacebookTwitter


Jornalismo com credibilidade na região norte!