Costa Rica 27 ℃

Presidente da Ampasul abriu o Encontro Técnico do Algodão dos Chapadões

Conforme Boff para esse ano a expectativa é de colher 240 arrobas de plumas de algodão por hectare

Publicado em 23/07/2011 15:58

Simone, Waldeli e Boff (Foto: Luciana Aguiar)

Na manhã de sexta-feira (22), na SLC Agrícola - Fazenda Planalto (Baús), o presidente da Ampasul - Associação Sul-mato-grossense dos Produtores de Algodão, Darci Boff juntamente com a governadora em exercício Simone Tebet e a secretária estadual de Produção, Indústria, Comércio e Turismo, Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias abriram o Encontro Técnico do Algodão dos Chapadões e deu início oficial a colheita do algodão.

O evento também contou com a participação dos prefeitos de Chapadão do Sul, Jocelito Krug, de Costa Rica, Jesus Queiroz, dos vereadores Lucas Lázaro Gerolomo e Adair Tiago de Oliveira, do presidente do Grupo Paraná e ex-prefeito, Waldeli dos Santos Rosa e demais autoridades da região.

Avaliado como um dos encontros mais tradicionais do agronegócio, o evento foi realizado na cidade de Costa Rica por ser considerada a Capital Estadual do Algodão. Conforme Boff para esse ano a expectativa é de colher 240 arrobas de plumas de algodão por hectare.

As autoridades assistiram ao início oficial da colheita do algodão. Durante entrevista, Simone destacou as ações do governo do Estado na implantação da infraestrutura logística para o escoamento de toda a produção não só do algodão, mas de outras culturas, como soja e milho. A governadora em exercício também destacou que Costa Rica detém 48% da produção do algodão de todo o Estado, por isso é considerada a Capital Estadual do Algodão.

- a região é rica e próspera, porque a terra, a vontade e capacidade dos produtores sempre existiu, mas faltava a participação de um governo, ressaltou Simone.

Conforme dados da Ampasul, a produção movimenta mais de R$ 500 milhões por ano empregando mais de 26 mil pessoas. São 64 produtores em 86 fazendas numa área plantada de quase 61 mil hectares. Mesmo com uma quebra de safra de aproximadamente 15%, por causa das chuvas do início do ano, a produção é considerada boa e com condições favoráveis para os produtores.

- Foram sete meses de operações de tratores e de pulverizadores e já estamos com 33% da área colhida em Mato Grosso do Sul. Tivemos também o aumento de plantio da cultura de cerca de 50%. Apesar da influência climática teremos uma boa colheita, Boff.

SIGA-NOS NO Costa Rica em Foco no Google News

Pode te Interessar